Reforma de cadeiras CIMO

Para discussào de temas relacionados a técnicas e produtos para acabamento de madeiras
Avatar do usuário
Branco Leone
Mensagens: 1384
Registrado em: 23 Dez 2015 18:17
Localização: Duas Cidades - SP
Contato:

Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor Branco Leone » 05 Mar 2016 20:32

Há uns meses, fomos a um boteco aqui na roça tomar umas pingas. É um lugar pequeno, na beira do rio, com apenas quatro mesas dentro e duas do lado de fora. As mesas são todas iguais, de madeirona bruta, mas cada uma delas é atendida por um jogo diferente de cadeiras.

E UMA delas tem quatro cadeiras absolutamente sensacionais. O assento, o encosto, os braços e as "mãos-francesas" por baixo do assento são feitos em compensado de Imbuia moldado, e as pernas em Imbuia maciça. Essas cadeiras são — de longe! — as cadeiras não-estofadas mais confortáveis em que já descansei o rabo.

Voltamos pra casa, garrei fuçar, acabei achando umas fotos:

Imagem

Descobri que é uma tal Modelo 1001, fabricada pela Companhia Industrial de veis (ou apenas CIMO).

A história da empresa:
1912 – Fundação da serraria, em Rio Negrinho, Santa Catarina, por Willy Jung e Jorge Zipperer, que inicialmente fabricavam caixas de madeira para frutas.
1920 – A serraria decide diversificar a produção e aproveitar as aparas de imbuia restantes da fabricação de caixas de frutas.
1924 – A fábrica vende aproximadamente 60 mil cadeiras e poltronas de cinema.
1930 – Martin Zipperer, um dos proprietários, inicia política de reflorestamento.
1950 – A fábrica diversifica a produção com móveis escolares e linhas institucionais de escritório, quartos, salas, etc.
1970 – Manifestam-se sintomas de grave crise administrativo-financeira na empresa. As unidades de Joinville e Rio Negrinho sofrem grandes incêndios.
1982 – É decretada a falência da Móveis Cimo S.A.
Gazeta do Povo: http://www.gazetadopovo.com.br/caderno- ... 70erpfsj7y
Na Wikipedia: https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%B3veis_Cimo

Entre modelos, sub-modelos, variações (sem falar das cópias mal feitas), encontrei bem uns 30 tipos diferentes fabricados pela empresa. Eles fizeram cadeiras com e sem braços, poltronas, "sofás" de dois lugares, longarinas para cinemas, tudo variações sobre o mesmo tema para diversas aplicações, mas também fabricaram cadeiras de balanço (bem esquisitas), estofados, mesas, armários e estantes para casa ou escritório, o diabo.

Li em algum lugar que, só de assentos para cinemas e teatros, a CIMO fabricou algo perto de 16 MILHÕES.

Um modelo sem braços (essa cadeira é minha desde que nasci e não sabia que era uma CIMO):
Imagem

Uma poltrona Grilo (clássico da empresa) muito bem restaurada:
Imagem

Uma longarina:
Imagem



Bem, fuça daqui e dali, acabei encontrando três modelo 1001, iguais às do boteco, à venda em Descalvado (interior de SP) por um preço que me pareceu razoável (encontrei outras, mas todas sendo vendidas por pessoas com déficit de percepção da realidade).

Imagem

Arrematei-as e fui buscá-las. Isso tudo isso em dezembro passado.

E HOJE, finalmente, comecei a reformá-las.


Encosto antes de lixar:
Imagem


Assento lixado:
Imagem


Assento e encosto lixados, algumas peças ao lado
Imagem


Comecei pianinho, lixinha 150 pra madeira, mas vi logo que a coisa ia ser encruada, e eu não sou de lamber o abacaxi até descascá-lo. O raio do verniz é tinhoso, até porque, se não fosse, já teria saído totalmente nestes 50 anos (ou mais) desde a fabricação das cadeiras. Tive que partir pra ignorância entrando com uma lixa 60 para ferro (com suporte de tecido). Claro que riscou um pouco, mas isso será eliminado nas próximas lixadas, com grana 100, 200 ou lá o que for preciso.

Como há um alqueire de verniz pra remover, e calculando pelo tempo que gastei lixando essas duas peças maiores, imagino que eu vá precisar de uns cinco ou seis dias corridos de trabalho (ou mais, sei lá) pra deixar as três cadeiras no ponto de acabamento, isso sem mencionar pequenos consertos que vou precisar fazer aqui e ali. Considerando que só estou na oficina de quinta a domingo, que há outras coisas que quero fazer na oficina, e que não posso descuidar da roça, isso vai ser trabalho pra um trimestre.

Vai dar tempo de decidir e mudar de idéia cinco vezes sobre qual acabamento usar. Estou pendendo (nada a ver com a Síndrome de Méniàre :mrgreen: ) entre o Ólio per Móbile e a seladora. E talvez uma cera d'abêia.

Podem esperar por fortes emoções! :lol: E muita papagaiada!
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Avatar do usuário
fguido
Mensagens: 3600
Registrado em: 12 Jun 2011 19:56
Localização: Rio das Ostras - Rio de Janeiro
Contato:

Re: Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor fguido » 05 Mar 2016 21:20

Conheço e já sentei muito nessas cadeiras, de fato muito boas e confortáveis, além de retratarem a verdadeira arte da marcenaria.

Sou doido para ter umas dessas aqui em casa.

Parabéns pelo achado e pela empreitada
Nada no mundo é mais perigoso que a ignorância sincera e a estupidez consciente
Martin Luther King Jr
Quer outra frase legal? - "... uma das coisas mais perigosas do mundo é um ignorante com inciativa....Mário Sérgio Cortella
Avatar do usuário
Adenilson
Mensagens: 1575
Registrado em: 27 Mai 2012 17:26
Localização: Tanabi - SP
Contato:

Re: Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor Adenilson » 05 Mar 2016 21:25

nao seria melhor e mais efetivo raspar ao invés de lixar?
Viver! E não ter a vergonha De ser feliz
Cantar e cantar e cantar A beleza de ser Um eterno aprendiz...
---------------------------------------------------

http://www.discipulodocarpinteiro.blogspot.com.br
Avatar do usuário
cosme
Mensagens: 830
Registrado em: 05 Jan 2015 23:47
Localização: Petrópolis [RJ]
Contato:

Re: Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor cosme » 05 Mar 2016 23:18

Confesso que os desenhos colocados aqui não me atraem.
Confesso também que o acabamento da primeira e segunda fotografias também não dá gosto, por outro lado a longarina...
Ainda confessando, a última fotografia me fez abrir um sorriso ao perceber a beleza escondida na lâmina.
Tem tudo para dar um bom caldo ou samba (como preferirem).
Tenho quase certeza que já usufrui um bocado de várias cadeiras da CIMO. Se é o que estou pensando(recordando), de fato é confortável.

Espero a médio(longo!?) prazo brincar com cadeiras. Teria muito gosto em embarcar em um projeto confortável sem qualquer acolchoado.
Muito bom Branco, belo tópico.

[]s
Cosme
http://ricardocosme.com

"If you're going to do it, do it well."
-- Frank Klausz
Avatar do usuário
Alemão
Mensagens: 757
Registrado em: 30 Set 2012 22:08
Localização: Florianópolis SC ( sul da ilha, Tapera, proximo ao portão sul da base aérea ).
Contato:

Re: Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor Alemão » 05 Mar 2016 23:26

Caraca, me fez relembrar de quando era criança e morava em Joinville, passei quase toda minha infância entrando e saindo quase que diariamente da unidade de la, meu padrinho Bruno Brandt era um dos fornecedores de madeira para eles, a quebra da CIMO afetou ele também, de tal forma que o levou á falência e nesse rolo de falências, a fábrica do meu pai acabou entrando no rolo, no estado a quebradeira foi grande entre os parceiros da CIMO, mas uma coisa é certa, nunca mais eu vi móveis com a qualidade deles, isso da saudades.
Avatar do usuário
Branco Leone
Mensagens: 1384
Registrado em: 23 Dez 2015 18:17
Localização: Duas Cidades - SP
Contato:

Re: Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor Branco Leone » 06 Mar 2016 06:07

fguido escreveu:Sou doido para ter umas dessas aqui em casa.
Guido,
há muitas por aí, o problema maior é encontrar as que não estejam sendo vendidas por esquizofrênicos que se acham possuidores do trono da rainha de Sabá. É cada preço ridículo!
Um exemplo. E não é o desenho original, é variação.



Adenilson escreveu:nao seria melhor e mais efetivo raspar ao invés de lixar?
Adenilson,
comecei tentando raspar mas, 1) são poucas as áreas planas ou convexas e 2) para raspagem, preciso das duas mãos, sendo então obrigado a fixar as peças na bancada, e não tenho como fazer isso.
Mas a raspilha seria minha primeira opção por muito motivos (menor agressão á madeira, mais eficácia, menos poeira em suspensão, menos tempo de trabalho...). Pena que não dá.



cosme escreveu:Confesso que os desenhos colocados aqui não me atraem.
Das buscas que fiz, ficou uma impressão de haver qualquer relacionamento entre Sérgio Rodrigues e alguma das fases da empresa. Mas é apenas uma impressão, resultado de um monte de informações amontoadas.



cosme escreveu:Tenho quase certeza que já usufrui um bocado de várias cadeiras da CIMO. Se é o que estou pensando(recordando), de fato é confortável.
Com 16 milhões de assentos em cinemas, acho difícil que um brasileiro com mais de 30 anos já não tenha posto os costados numa CIMO.



cosme escreveu:Espero a médio(longo!?) prazo brincar com cadeiras.
Na construção delas, eu não me arrisco. Fico apenas nas reformas e na admiração.



Alemão escreveu:Caraca, me fez relembrar de quando era criança e morava em Joinville, passei quase toda minha infância entrando e saindo quase que diariamente da unidade de la, meu padrinho Bruno Brandt era um dos fornecedores de madeira para eles, a quebra da CIMO afetou ele também, de tal forma que o levou á falência e nesse rolo de falências, a fábrica do meu pai acabou entrando no rolo, no estado a quebradeira foi grande entre os parceiros da CIMO, mas uma coisa é certa, nunca mais eu vi móveis com a qualidade deles, isso da saudades.

Muito legal, mais um pedacinho de história.
Valeu, Alemão!
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Avatar do usuário
Roger Luiz
Mensagens: 340
Registrado em: 21 Out 2014 14:08

Re: Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor Roger Luiz » 06 Mar 2016 09:17

Branco Leone escreveu:
cosme escreveu:Tenho quase certeza que já usufrui um bocado de várias cadeiras da CIMO. Se é o que estou pensando(recordando), de fato é confortável.
Com 16 milhões de assentos em cinemas, acho difícil que um brasileiro com mais de 30 anos já não tenha posto os costados numa CIMO.


Branco , o Cosme é guri novo, tem só 19 anos, é que ele esconde a idade.. :grin: ele deve estar se confundindo... :mrgreen:


Branco Leone escreveu:
Alemão escreveu:Caraca, me fez relembrar de quando era criança e morava em Joinville, passei quase toda minha infância entrando e saindo quase que diariamente da unidade de la, meu padrinho Bruno Brandt era um dos fornecedores de madeira para eles, a quebra da CIMO afetou ele também, de tal forma que o levou á falência e nesse rolo de falências, a fábrica do meu pai acabou entrando no rolo, no estado a quebradeira foi grande entre os parceiros da CIMO, mas uma coisa é certa, nunca mais eu vi móveis com a qualidade deles, isso da saudades.

Muito legal, mais um pedacinho de história.
Valeu, Alemão!

Alemão, que história! Minha família, também tinha uma empresa familiar que quebrou, segundo aquela máxima " o homem constrói, o filho usufrui e o neto destrói". Eu sou o Bisneto hein!!

Branco, você já chegou a retirar todo o verniz? eu fiz, em uma cabo de pliana daquelas stanley global, o seguinte:

lixei com a 400, pra quebrar o verniz, depois 600, 1200, 2000, 2500, 5000, tudo com (pouquíssima) água e dei um polimento depois com cera automotiva, com paninho mesmo.

O detalhe é que o cabo éminúsculo perto da cadeira, mas pelo menos não tira o veriz fora. Outra possibilidade é o removedor anjo, o cuidado maior é não deixar chegar na cola do compensado, senão vai escangalhar a cadeira toda. Fui tirar um verniz de um violão, em uma de minhas grande cagadas, e acabei descolando até o tampo do corpo, por não atentar ao tempo de aplicação.
"Enquanto for feio ser brasileiro (ou mais bonito ser descendente do chamado "primeiro mundo"), este país não tem remédio." BL
Avatar do usuário
fernandorosa
Mensagens: 625
Registrado em: 16 Jun 2011 17:01
Localização: novo hamburgo

Re: Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor fernandorosa » 06 Mar 2016 11:05

Conheci muito estas cadeiras CIMO e realmente eram muito confortáveis mas como a coisa descambou para Historia vou contar um fato real que envolve, um antepassado meu
Em Porto Alegre la pala desada de 20 um gringo chapeleiro, meu antepassado,importou do Equador uma carga de palhinha para a confecção de chapéus "picareta" que eram a coqueluche da moda
Pois bem depois de quase um ano de espera chegou o navio com a carga de palinha,só que a moda tinha caído, e agora? Ficou o parente com um armazém na Rua Voluntarios da Patria cheio de palha sem serventia
Por sorte ao lado do dito armazém havia um alemão (Gerdau) que fabricava cadeiras de madeira curvada a quente com assento e encosto de compensado Pois ai foi a salvação do parente!! O alemão teve a ideia de fazer os encostos e assentos de palinha trançada
resultando nos tradicionais moveis Gerdau (tenho uma cadeira de balanço em restauração)
Comclusão o parente ja bem velinho me dizia no dialeto calabres -Perdi dinheiro com a cabeça e ganhei com a bunda!!!-
Avatar do usuário
paulobro
Mensagens: 3377
Registrado em: 13 Jun 2011 05:27
Localização: Porto Alegre / RS
Contato:

Re: Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor paulobro » 06 Mar 2016 12:28

Afora inumeras vezes usufruir delas em cinemas e auditorios, praticamente em todas as escolas da minha infancia e adolescencia os assentos eram as ricas e certamente confortaveis cadeiras de imbuia da CIMO...

cadeiras-1.jpg
cadeiras-1.jpg (87.52 KiB) Exibido 1171 vezes



Branco Leone escreveu:Essas cadeiras são — de longe! — as cadeiras não-estofadas mais confortáveis em que já descansei o rabo.
Em nada querendo desmerecer o conforto dos tantos assentos CIMO da minha juventude mas, meu caro Branco Leone, nao e' por eu ter feito um par de replicas, eu te sugeriria experimentar a comodidade das cadeiras do mestre Sam Maloof — originais, se a rarissima oportunidade surgir, ou mesmo as tantas replicas que ha por ahi.

ImagemImagem

Na minha sempre desconsideravel opiniao, da frouxo para comparar com as estofadas.
Avatar do usuário
Branco Leone
Mensagens: 1384
Registrado em: 23 Dez 2015 18:17
Localização: Duas Cidades - SP
Contato:

Re: Reforma de cadeiras CIMO

Mensagempor Branco Leone » 06 Mar 2016 19:01

Roger Luiz escreveu:...segundo aquela máxima " o homem constrói, o filho usufrui e o neto destrói".
A versão que conheço é "O pai funda, o filho afunda".
Economiza-se uma geração.



Roger Luiz escreveu:lixei com a 400, pra quebrar o verniz, depois 600, 1200, 2000, 2500, 5000, tudo com (pouquíssima) água e dei um polimento depois com cera automotiva, com paninho mesmo.
O detalhe é que o cabo é minúsculo perto da cadeira, mas pelo menos não tira o veriz fora.
Não sei se daria pra fazer porque o verniz não está íntegro. O que não rachou, caiu. E onde não rachou ou caiu, foi coberto por uma lambança de um verniz mais novo (menos velho) aplicado, ao que parece, com os dedos. Bleargh!
E essa fila de lixas ajuda a desanimar qualquer um, credo!



Roger Luiz escreveu:Outra possibilidade é o removedor anjo...
Aí eu emperro por causa do preconceito.
Falou em produtos químicos, meu lado tradicional fica todo arrepiado. E como a maioria das peças é de compensado (só as quatro pernas são de madeira maciça), esse tal Anjo não seria aconselhável mesmo.


Falando no compensado das cadeiras, vou levar a câmera boa pra fazer umas fotos em macro das laterais das placas. Nunca vi nada parecido, a qualidade é impressionante.



fernandorosa escreveu:Perdi dinheiro com a cabeça e ganhei com a bunda!!!
Já eu consigo perder pelos dois lados! :lol:
Ótima história, Fernando.



paulobro escreveu:Afora inumeras vezes usufruir delas em cinemas e auditorios, praticamente em todas as escolas da minha infancia e adolescencia os assentos eram as ricas e certamente confortaveis cadeiras de imbuia da CIMO...
Essa cadeira de escola é tá bonita que chega a dar vontade de voltar pra escola.



paulobro escreveu:... meu caro Branco Leone, nao e' por eu ter feito um par de replicas, eu te sugeriria experimentar a comodidade das cadeiras do mestre Sam Maloof — originais, se a rarissima oportunidade surgir, ou mesmo as tantas replicas que ha por ahi.
Bem, considerando que a oportunidade de me sentar numa Maloof original é quase nula, sobraram-me as suas réplicas.
Combinaremos. :lol:


EDITANDO:

E já que falamos de cadeiras e dos designers que as fizeram, dois exemplos que eu não consigo parar de olhar, ambas do Sergio Rodrigues.

Imagem

Imagem

Dá pra comparar com a Adirondack? Nem a pau!
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Voltar para “Acabamentos”

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante